Frases Soltas do Pensador (www.pensador.info)

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Sabedoria Machadiana

Mulheres são como maçãs em árvores.
As melhores estão no topo.
Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão,
que não são boas como as do topo,
mas são fáceis de se conseguir.

Assim as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas,
quando na verdade, eles estão errados...

Elas têm que esperar um pouco para o homem certo chegar,
aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.


(Machado de Assis)


Algo para se pensar...afinal, é uma questão de evolução: apenas os fortes conseguem chegar no topo. Os fracos se contentam com o que está no chão.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Eu Queria...

eu queria, como queria
tirar você do pensamento
o que, um dia, pareceu ser minha sorte,
virou-se contra mim.
descobri que o limite entre o sonho e o pesadelo
é não conseguir parar de sonhar com você
e ter que acordar sabendo que não o tenho.
acompanhar cada movimento seu
à distância, sem poder te seguir.
te querer, desejar, com toda a alma,
ansiar por você,
com urgência, desespero, ansiedade...
sentir que é mais que gostar
e não poder admitir,
não poder te falar.
a sua formalidade, a sua frieza,
me ferindo, queimando...
e eu querendo mais...
quando mais é, ao menos, 

o pouco que tive antes.
te ver se afastando, partindo
e levando muito de mim
e deixando tão pouco de si.
quem dera, fosse como naquela noite,
quando deixamos, um no outro,
a lembrança de beijos que a lua testemunhou
trocamos mais que abraços,
também nossos perfumes
que na pele um do outro ficou.
foi sonho? sorte? existiu?
já não sei...só sei que não sei mais
como te tirar do pensamento...
eu queria...como queria...
talvez para você seja mais fácil...
quem sabe, talvez, possa me ensinar,
quem sabe mais facil que amar,
seja, simplesmente, não lembrar.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Um sonho


eu quero um sonho para viver,
sem palavras a dizer,
sem promessas a fazer,
argumentos vãos, 
nada por esquecer.

eu quero um sonho
do qual possa falar,
um sonho a realizar,
sem intervalos, interrupções,
e tanto a declarar.

um sonho claro,
sem passagens inexas, 
sem promessas complexas,
fácil de se compreender,
fácil de entender.

um sonho concreto,
real, verídico.
um sonho bom,
um sonho de enlevos,
um momento para se recordar,
eu quero um sonho para sonhar.

sábado, 4 de setembro de 2010

Musa Letal


ela vem com seu caminhar suave,
como se estivesse dançando
ao som de uma melodia envolvente,
seu corpo em movimentos sinuosos,
seus olhos penetrando fundo,
perscrutando a alma de quem os fita.
olhos escuros, insondáveis,
tantos sentimentos e emoções
ocultos sob castanho véu.
sua boca vermelha sorri desdenhosa,
o sarcasmo se faz sentir,
no tom modulado e aveludado de sua voz.
seu riso cristalino zomba dos incautos,
que ousam lhe dirigir a palavra,
jurando amor eterno, protestando paixões.
deusa das trevas, musa da escuridão,
ela segue sozinha seu caminho,
seu coração envolvido em fina camada de gelo,
ela não brinca com sentimentos,
bem como não os despreza...
apenas não mais acredita em sua veracidade.
gélida rainha,
dona de um olhar glacial,
fera calculista que fere
para não ser ferida,
sua frieza arde mais do que o fogo,
seu desdém dói mais do que sua ira.
ela continua sua trajetória,
totalmente indiferente às presas que arrasta,
amarradas em seus pés,
se ela concede um beijo,
frio beijo letal,
esse beijo é puro veneno, 
delicioso porém fatal,
ela suga sua alma, rouba sua vida,
o transforma em mais um condenado,
mais um a pagar o incalculável preço
de seu coração ferido...
eterna dívida deixada por outro,
que transformou em implacável algoz
o doce anjo de outrora.

Menina Má


tire seus olhos de mim,
nada do que você vê pode ser seu.
afaste-se ou poderá se ferir,
você corre o risco
de ter seu coração esmagado 
pelo salto das minhas botas.
eu não estou para brincadeiras,
não sou apenas mais uma garota,
mas cansei de ser uma boa menina.
sorrisos ingênuos, olhares cândidos,
já fazem parte do meu passado,
aquele coração tão puro,
sempre disposto a te aceitar,
hoje bate em um outro ritmo,
e essa que você vê é uma menina má.
dance minha música,
jogue meu jogo,
se perca,
você nunca poderá me acompanhar.
em minha boca vermelha,
um sarcástico sorriso,
em meus olhos, um olhar de desdém.
minhas unhas negras estão prontas
para rasgar sua pele.
aquele anjo que fui, morreu,
hoje trago, em meu corpo,
a avidez de um pequeno demônio,
louca para roubar sua alma.
olhe para mim, mas não tente me desejar,
essas pernas, que você devora com os olhos,
guiam meus passos para bem longe de você,
por detrás desse decote, que te enlouquece,
bate um coração que não mais te quer.
as curvas do meu corpo são muito perigosas,
uma derrapagem e você se perderá nelas.
a doce criança desapareceu,
a inocência se perdeu,
hoje quem está aqui sou eu,
a menina que cansou de ser boazinha,
e não chegar a lugar algum,
hoje sou bad girl e sei pra onde vou
e sei o que quero...
e tudo o que quero é dilacerar seu coração.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Nós, Bruxas


Mulheres são mulheres e todas carregam, dentro de si, uma essência especial. Mas, existe uma determinada categoria de mulheres, com uma capacidade diferenciada de reagir aos estímulos da vida: As Bruxas.
Nós, bruxas, sentimos intensamente, nos apaixonamos, mas nossas paixões são fugazes, podendo durar uma Lua, ou perenes, podendo atravessar, quem sabe, séculos e vidas.
Fugazes, porém jamais efêmeras, amamos com toda a nossa alma, nossa entrega é absoluta, com a rendição dos Quatro Elementos, amamos...devastadoramente como um furacão, com o calor de um vulcão, nossos corpos fremindo como o solo em um terremoto, nos deixamos levar com a força de um maremoto...então,com os Quatro Elementos harmonizados, chegamos ao Quinto, atingimos a sublime leveza do Éter...a realização suprema.
Por sermos, essencialmente, solitárias, difícilmente seremos vistas com um par constante...não importando quem se vai, primeiro, nós ou eles, no final guardamos, apenas, as lembranças e sensações.
Sofremos por amor. Sim, sofremos! Mas, nossas lágrimas duram, apenas, o tempo necessário para retomarmos nossa caminhada, nossa busca infinita...quem sabe de uma nova magia, um novo amor, uma nova estrada.
Nós, bruxas, caímos e nos levantamos e quando nos apaixonamos, é, sempre, como se fosse a primeira vez; ao nos entregarmos, o fazemos como se fosse a última...vivemos cada momento em seu tempo e cada tempo em sua hora. 
Cada amor é único, cada pessoa é exclusiva...em seu tempo e seu espaço...então, quando esse amor se retira de nossas vidas, seguimos, confiantes, realizadas, afinal, antes de sermos bruxas, somos mulheres e, como tal, precisamos nos sentir amadas, desejadas, cobiçadas.
Nosso olhar tem um brilho diferente, nosso sorriso carrega encanto.Por onde passamos, deixamos nossa marca...difícilmente passaremos despercebidas...positivamente impossível que sejamos esquecidas.
Ao caminharmos, espalhamos no ar a nossa essência...mágica e misteriosa...estranhamente cativante. Em cada passo, um bailado sinuoso, deslizando, quase flutuando, levadas pela brisa que emana de nós.
Bailamos com a sensualidade de Lillith, amamos com a paixão de Afrodite, protegemos como Deméter, caçamos como Ártemis...mas, não nos prendemos, somos livres...guerreiras...Athenas.
Somos sílfides, dríades, ondinas, salamandras...somos deusas, somos profanas, mundanas, sagradas...somos anjos, somos devas...somos súcubos. Guiamos seus sonhos, sugerimos seus passos, amantes de Baco, musas dos Bardos...influenciamos as Marés, somos movidas pela Lua...somos Donzelas, Mães, Anciãs...mulheres na mais completa e complexa acepção da palavra.
Somos bruxas...sem paradeiro, sem grilhões, sem destino...somos as Filhas da Noite...partículas do Universo, Discípulas da Natureza.