Frases Soltas do Pensador (www.pensador.info)

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Quarto-Crescente (Ou Eclipse-A história que nunca foi contada)

Era uma vez um Zahir,
imagem persistente,
presença constante, pulsante,
real, ainda que distante.
o Zahir em tudo estava,
no ar, nos lugares,
nas canções, nos sonhos...
Era como uma certeza incerta,
Acreditava-se que ele permaneceria,
Tinha-se como certo que ele a ninguém,
Jamais pertenceria.
Zahir...drama, história interminável.
Então, aos poucos, algo louco
Foi acontecendo...
Uma presença, sutil, pouco a pouco,
Se insinuava...e permanecia...
Olhos da cor do ocre,
Pele de marfim,
Corpo esculpido pelos deuses,
Mente de poeta,
Voz de anjo...
Envolvente, com suas rimas e versos,
Com suas histórias e canções.
Em uma noite, quarto-crescente,
A Lua das coisas eternas,
Ele demarcou seu território...
Eclipse...raro...inesquecível...
Extasiante.
Sob estrelas, ocultas entre nuvens,
A suave brisa acariciante,
Era madrugada e seus braços delineavam
Um amplexo perfeito,
Completando com beijos
Entrecortados de palavras sonhadas.
Ali surgia uma nova história,
Ainda que contada em poucas palavras,
Na plenitude de uma única madrugada,
Enquanto o Zahir, silenciosamente, se apagava,
Uma certeza se concretizava:
Aquele momento sinalizava
Uma história que mal começara
Interrompida pelo tempo e pela distância,
Quem sabe, algum dia...
Ela ressurja não mais como eclipse,
mas,definitiva como o Universo secular,
Não mais história, não mais momento,
Quiçá, realidade...
Olhos cor de ocre que nos meus irão repousar.

Considerações

não existe traição quando não houve o toque,
e nem relação se não houve o contato.
um romance apenas idealizado não é real,
e esperanças só morrem quando existiram.
a mudança só existe quando existe a rotina,
e a rotina só acontece no dia a dia,
na realidade, no toque, no contato.
o que não existiu não pode nos ferir,
se sequer veio, não há como partir.
palavras são palavras em um jogo,
sem vencedores,
e enquanto palavras, não são fatos, 
não determinam amores.
que venha o que vier, que seja...
o que tiver que ser.
exagero os fatos, invento sentimentos,
aumento minhas dores,
no final, viro a página,
aperto o reset e sigo.
aprendi a ser imune às ilusões,
trapaças da mente que busca paixões,
novas histórias, novos amores,
razões da existência de um coração
que se alimenta de emoções
traiçoeiras, às vezes, porém reais.
agora delas me enfado, se necessário,
que venha a ventania, a destruição...
ressurjo, de qualquer forma, dentre as ruínas
qual fênix, guerreira, imortal.
não acredito que nada mais venha a ferir
um coração que aprendeu a ser glacial.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Adorável Contradição


Você a vê e se encanta,
Jeito de menina
Em um corpo de mulher.
Seu jeito de andar
Traz os meneios de um bailado,
Você se perde em seus passos,
Enquanto ela acerta o compasso.

Ela joga com palavras
Um jogo de inteligência,
Misturado com inocência e sedução,
Seu sorriso despretensioso
Disfarça seus olhos flamejantes de paixão.

Intrigante.
Você jamais consegue definir
Se ela é fada, bruxa, cigana ou anjo,
Mas, antes que você pergunte,
Ela te mostra que é tudo isso e mais.
Fascinante!

Coloque-a em um altar,
Rodeada de pétalas de rosas,
E ela o amará como a um deus.
Despreze-a
E ela o fará provar
Do seu próprio veneno;
Com desdém o esquecerá
E, logo, outro ocupará seu lugar.

Quem é essa garota?
Menina-mulher, anjo ou demônio?
Refinada, marota,
Sedutora, tímida,
Complexa e contraditória.

Com o tempo, você irá descobrir
Que, por detrás de sua aparente submissão,
Ela sabe como deter e exercer o poder.
Viagem sem volta, 
Olhe-a nos olhos e aceite,
Com tanta doçura, ela vai envolver você.

Em pouco tempo, você verá
Que, nesse jogo sem vencedores, 
Mesmo sendo ela uma incógnita,
Ainda será o mais inesquecível
De seus amores,
Aquela por quem você vai adorar
Se apaixonar.

Meio deusa e feiticeira,
Ela conhece todos os segredos,
sabedora dos sortilégios,
Ainda que não seja a primeira,
Ela chega para ser a única.
Encantadora, suave, sedutora,
Irresistível e adorável contradição.

Sozinha, mesmo assim


seu cheiro ainda está em minha pele,
meus cabelos impregnados pelo seu perfume,
seus beijos ainda ardem em meus lábios,
por quê? por quê? por quê?
como fui gostar tanto de você?

tantas lembranças povoam minha mente,
eu e você e nada mais,
pensamentos que não me deixam...
por quê?por quê...?
por quê tem que ser assim?

sua voz ecoa em meu ouvido,
a todo instante,
delírios e promessas,
sonhos e ilusões,
você tem que voltar...

simplesmente sei que tenho que seguir,
uma vida e mil missões me esperam,
meu destino tenho que cumprir,
se tenho que te esperar ou partir...
já não sei...
apenas sei que seguirei,como sempre segui:
sozinha, mesmo assim.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Reflexões

Deus é um conceito o qual não consigo compreender,entidade que não consigo ver como vêem a maioria dos olhos crédulos.
Não vejo Deus nas expansões de almas hipócritas, que apontam o que desaprovam,tornando-se juízes e algozes.Nessas mentes limitadas, que julgam-se perfeitas, dignas de um Paraíso que só a elas pertence.

Mais fácil encontrar Deus nas blasfêmias dos bêbados,nas gargalhadas das damas da noite,em toda a espécie de manifestação sincera que parta da alma, antes de partir de um raciocínio calculado,uma representação premeditada.

Não consigo acreditar em um Deus que nos tenha como fantoches,que tolhe nossos atos e ata nossos membros,um Deus castrador e punitivo, vingativo e manipulador, que nos prende em uma corrente e nos deixa seguir até onde dita seu bel prazer...então, enfastiado, ele puxa a corrente e nos enforca em nossa própria tentativa de liberdade.
Esse Deus feudal, esse Deus inventado, não me interessa.

Não acredito em um Deus que reine, distante, longe demais para ouvir nossas preces.

Acredito no Deus que vive em nós, energia sem nome, sem sexo, sem restrições.
Deus,Deusa, Deuses...terceira pessoa do singular, do plural, na conjuntura.

Acredito em uma força que nos concede a liberdade, a chance de errar e acertar,de sermos indivíduos, nos concede personalidade, autonomia, nos faz parte da criação e nos torna criadores, também.

Acredito na força da natureza, na tempestade que cai lá fora, nas folhas das árvores bailando ao sabor da ventania, acredito no ar, no fogo, na terra e na água.

Não acredito em um Deus que negocia a salvação em troca do sacrifício da nossa vontade,do nosso direito de caminharmos com nossas próprias pernas e aprendermos com nossos próprios erros.

Não acredito em um Deus que determina que o sexo é pecado e não a mais sagrada manifestação da natureza humana...

Aquilo em que acredito, Energia, Deusa, Deuses, é a força que move a vida, que se encontra nos menores detalhes, nos mais sutis momentos. Deus, Deusa, Tudo o que há, é força que vibra nas canções, nas danças, nas celebrações, a mesma força que buscavam meus ancestrais, diante de uma fogueira, em uma noite de luar.

Essa força vive e se expande, de dentro para fora, no ar que respiramos, em cada palavra que proferimos,nas ondas do mar, na areia branca, nas florestas, nos animais, na vida, em sua forma mais primitiva.

Se me perguntarem se acredito em Deus, respondo, com propriedade e sem medo: "Não. Não no Deus em que a maior parte das pessoas acreditam".

Acredito na verdade que cada um de nós possui dentro de si, no poder que nossa mente tem de se conectar ao Universo e transformar em algo concreto o que, até então, era apenas abstrato. Dêem o nome que quiserem a isso,chamem de fé, essa força parte de nós, em conexão ao Todo.

Não são as religiões que determinam, não são os diversos nomes de Deus, Allah, Elohim, Jeová...é, nada mais, nada menos, do que a força da necessidade nos mostrando as ferramentas que possuímos e de que podemos fazer uso.

Chamem a isso de Deus, Deusa, Energia...não importa,contanto que possamos nos sentir parte disso.


Se me perguntarem, eis a resposta, é nisso em que acredito.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Fizeram a gente acreditar (John Lennon)



Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos. Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada.

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.

Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.

Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.

Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.

Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos.

Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.

Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.

Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar


As pessoas que vencem neste mundo são as que procuram as circunstâncias de que precisam e, quando não as encontram, as criam. A vida é feita de escolhas e muitas vezes trata-se de uma escolha de atitude.

John Lennon - 30 anos de Saudades



Em primeiro lugar, quero dizer que essa não pretende ser a última palavra em termos de homenagens a John Lennon e tudo o mais que for relacionado a ele.
Existem inúmeros sites que trazem informações sobre sua vida, imagens, curiosidades, homenagens mais elaboradas, até, o que faz dessa, aparentemente, mais uma...em uma primeira vista, quem sabe.


Hoje, 08 de Dezembro de 2010, é o dia que marca os 30 anos desde que John Lennon nos deixou. Uma data triste, sem dúvida, mas, que jamais poderia ser esquecida.
Ele que lutou pela paz, pereceu de forma violenta e sem sentido através das mãos de um "fã" (?!?), que julgou seu ato bárbaro uma forma de demonstrar sua veneração por John Lennon.
Assim um fato triste se fez história, tendo, de um lado, Mark Chapman, que se tornou, talvez, um dos homens mais odiados de todos os tempos e, de outro, John Lennon que, aos 40 anos, retomando aos poucos sua carreira, interrompida por conta do nascimento de Sean, seu filho com Yoko Ono, teve a linha de sua vida rompida bruscamente, naquela noite fatídica, diante do prédio onde morava, em Nova York.
John Lennon deixou uma extensa obra, desde os tempos em que era integrante dos Beatles, e uma saudade infinita, acompanhada de um eterno "por quê?". Por quê ele tinha que nos deixar? Por quê grandes personalidades morrem cedo? Por quê...por quê...por quê????


Minha ligação com John Lennon provém de algo inexplicável...a morte dele foi, simplesmente, o primeiro fato de que me lembro, em toda a minha vida, a primeira lembrança que minha mente registrou.
Eu era, apenas, um bebê na época em que ele morreu, 5 meses de vida, mais precisamente, mas, de alguma forma, lembro, com detalhes daquela noite: uma televisão ligada, perto do berço, a visão de um funeral, Imagine tocando, ao fundo, e Cid Moreira, em um dos momentos mais emocionantes de sua carreira, narrando a matéria, no Jornal Nacional.
Passei anos de minha vida com essa imagem gravada em minha mente, e cresci ouvindo Beatles, John Lennon, ouvindo falar de toda a sua trajetória e lamentando não ter nascido em uma época em que eu pudesse viver, em tempo real, a Beatlemania e, posteriormente, acompanhar sua carreira solo.
Aos 20 anos tive a oportunidade de confirmar aquilo que eu já tinha em mente e vi, na televisão, a reprise da mesma reportagem sobre a morte de John Lennon...eu, abismada, não conseguia achar explicação para o fato, apenas concluí que isso fortalecia, ainda mais, a ligação e afinidade que eu tinha com ele.


Lennon é, para mim, mais que, apenas, um ídolo...ele é um ícone, um mestre, um grande amor...é imortal!
E acredito que assim seja para seus fãs mais ardorosos, John Lennon é uma espécie de ente tão próximo, uma extensão de nossas almas, porta voz de nossos corações.
E, seguramente, afirmo: John Lennon não morreu. Ele vive e viverá na mente e no coração de todos nós, a cada canção dele que ouvirmos, a cada saudade que sentirmos, em cada momento...ele estará presente.


E aqui está, minha homenagem...talvez simples demais diante de toda a magnitude dessa personalidade que foi (é e sempre será) John Lennon, mas, a única pretensão é expressar a saudade que ele deixou, e, quem sabe, compartilhar com vocês a emoção de ver, em fotos, os momentos mais importantes da vida dele.
A trilha sonora dessa homenagem? Imagine, claro!

"Imagine todas as pessoas vivendo a
Vida em paz.
Você pode dizer que sou um sonhador.
Mas não sou o único.
Espero que um dia você se junte a nós.
E o mundo será um só."

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Mesmerizing


seus olhos me prendem
hipnotizam
por mais que eu tente
por mais que eu queira
não consigo fugir.

suas palavras me envolvem
eu procuro não acreditar
eu tento não me abalar
mas elas entram em meu coração
e dominam minha mente

sua boca me convida
a um paraíso de delícias
posso sentir sua maciez
seu toque
posso sentir sua avidez
ao devorar-me com seus beijos

sei que tudo isso é loucura
mas ainda assim vou me entregar
seja o que for
fecho os olhos à razão
e me entrego de corpo e alma
inteiramente
a essa paixão.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Selvagem


envolva-me em seus braços,
enlace-me,
quero sentir seu domínio,
quero sentir seu poder,
cada vez mais forte.
pressione seu corpo contra o meu,
quero sentir cada músculo,
cada parte de você,
completamente encaixada em mim.
quero sentir sua boca me devorando,
de todas as maneiras,
em todas as partes.

quero cravar minhas unhas em sua pele,
dar um grito de prazer,
você todo em mim...bem fundo,
me fazendo enlouquecer,
me domine, possua,
estou aqui, sou toda sua.
deixe-me conhecer seus desejos mais secretos,
quero realizar suas fantasias mais loucas,
insinuar-me em seus sonhos,
perder-me em seu corpo,
sem pudor, sem receio,
te beijar, te morder, 
me entregar...rasgar suas roupas.

quero te provocar,
quero te instigar,
esse meu olhar entrega tudo,
fixe-me...adivinhe o que quero,
meu corpo precisa do seu corpo,
meu desejo só completa-se com seu desejo,
não me olhe assim...apenas venha,
jogue-me na cama, deite-se sobre mim,
mostre a que veio, mostre o que sabe,
enlouqueça, perca o rumo, seja selvagem.

domingo, 31 de outubro de 2010

River Phoenix - 17 anos de Saudade

Hoje, 31/10/2010, completam-se 17 anos desde que River J. Phoenix, aos 23 anos, nos deixou.
Naquela noite de Halloween encerrava-se, de forma dramática, sua carreira, sua vida, tão marcada por acontecimentos atípicos.
Não vou falar, aqui, mais do mesmo. Há milhares de sites, na internet, dedicados a contar, exaustivamente, sua vida, sua trajetória, seus sonhos e aspirações. Todos podem conhecer o River Phoenix ator, músico, ativista, a pessoa sensível que ele era...há diversos lugares onde supõe-se, até, conhecer seus sonhos, seus dramas pessoais.
Quero falar do que ele representou para mim e, quem sabe, para outros fãs que ele conquistou com muito mais do que sua beleza incontestável.
A veneração que dedicamos a ele, vai além da admiração comum voltada aos demais artistas. River Phoenix se tornou um mito, um ícone. Ele foi considerado algo como "um novo James Dean".
Seus filmes não foram recordes de bilheteria, muitos, até, foram lançados, diretamente, em VHS, no Brasil, sem, sequer, terem sido veiculados no cinema. Os roteiros não chegavam nem perto da magnitude de seu talento, sempre ficava a impressão de que poderia ter sido "algo mais...", onde esse "mais" seria, completamente, preenchido por River Phoenix.
Ele recebeu 13 prêmios, em sua carreira, pelas suas atuações...mas, aqui, no Brasil, pouco se soube disso...pouco se soube dele.
Sua carreira, paralela, como músico, só ficou conhecida após sua morte e, ainda assim, apenas seus fãs mais ardorosos procuraram pesquisar sobre o River Phoenix vocal e guitarrista da banda independente Aleka's Attic...e que vocalista e guitarrista ele foi! Quem dera ele tivesse tido tempo de mostrar ao público o River Phoenix real, o que ele sempre quis ser, o River Phoenix músico!
Esse foi seu desejo de toda uma vida...inclusive, também, o último: terminar de gravar "Dark Blood" e poder, finalmente, dedicar-se à sua carreira musical.
...mas ele não pôde...houve uma noite e o fim de sua luta contra o vício nas drogas, adquirido nos tempos das gravações e laboratórios de "Garotos de Programa", em 1991. Uma longa luta e o saldo: sua derrota.
Em 1997 ele foi listado na revista britânica Empire, como uma das 100 maiores celebridades de todos os tempos...mas, esse reconhecimento tardio pouco mostrava do que ele, realmente, foi.
De qualquer forma, essa homenagem, talvez apenas mais uma diante de tantas, mais uma das que já fiz, porém, sempre, repleta de sentimento e saudade, vem trazer à tona a certeza que acompanha, há 17 anos, os fãs desse prodígio incomparável. Essa homenagem, feita em imagens, vídeo, e música, vem dizer a todos que o nome River Phoenix foi mais que um nome que ele possa ter recebido, foi a marca do seu destino, pois como Rio (River) ele jamais morre, retorna à nascente após sua trajetória e, como Fênix (Phoenix), ele ressurge das próprias cinzas. Ou seja, River Phoenix jamais poderá morrer, pois ele vive e renasce em nossas lembranças.

Com vocês, o vídeo 17 anos sem River Phoenix - tendo, como música de fundo, a homenagem que o cantor Milton Nascimento fez ao nosso adorado River, a música "Carta a Um Jovem Ator".
Ouçam, vejam e sintam...que River Phoenix continue revivendo em nossos corações!!!




sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Sempre é para sempre


há pessoas que são assim:
sempre é "para sempre",
todas as vezes,
sempre é eterno,
até que chegue o fim,
e ele sempre chega,
e vem mais alguém,
e, de novo, é "para sempre",
é eterno, é único,
inédito, inusitado,
é pra valer...
e vem mais uma vez o fim.
o fim nunca é "para sempre",
mas seus começos são...
suas falas não se renovam,
seus textos se repetem,
cada novo amor impressiona,
rende versos, vira poesia...
será "para sempre"...
mas nunca é.
até quando seu "para sempre"
continuará tão volúvel?
sempre tão fácil e rápido,
borboleteando em todos os pólens
para morrer no final do dia?
o seu "para sempre" sempre se repete,
mas, no final, quem se acaba
é você...sempre, pra variar.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Personagem


suas falas prontas,suas frases feitas,
seus gestos ensaiados,
seus scripts decorados,
seus sentimentos encenados,
seu personagem fabricado...
tudo tão igual, para todas!
sem originalidade...
gosto de personalidade,
exijo exclusividade.
se antes não percebia,
agora vejo com clareza.
que desçam as cortinas,
não há mais cena que você crie
que possa, novamente, me convencer.

Tudo Fala de Saudade


hoje tudo fala de saudade:
as fotos antigas,
as canções de outros tempos,
o sentimento que cala,
o perfume que exala.

hoje tudo fala de saudade:
a lembrança do que se foi,
a memória dos que se foram,
a estrada percorrida,
as histórias vividas.

hoje tudo fala de saudade:
a sensação constante,
a viagem no tempo,
voltando ao exato instante,
em que o passado se fez presente.

hoje tudo fala de saudade
e é só disso o que quero falar.
saudade...saudade...saudade...
de um tempo que se foi
e, quem dera, pudesse voltar!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Sabedoria Machadiana

Mulheres são como maçãs em árvores.
As melhores estão no topo.
Os homens não querem alcançar essas boas, porque eles têm medo de cair e se machucar. Preferem pegar as maçãs podres que ficam no chão,
que não são boas como as do topo,
mas são fáceis de se conseguir.

Assim as maçãs no topo pensam que algo está errado com elas,
quando na verdade, eles estão errados...

Elas têm que esperar um pouco para o homem certo chegar,
aquele que é valente o bastante para escalar até o topo da árvore.


(Machado de Assis)


Algo para se pensar...afinal, é uma questão de evolução: apenas os fortes conseguem chegar no topo. Os fracos se contentam com o que está no chão.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Eu Queria...

eu queria, como queria
tirar você do pensamento
o que, um dia, pareceu ser minha sorte,
virou-se contra mim.
descobri que o limite entre o sonho e o pesadelo
é não conseguir parar de sonhar com você
e ter que acordar sabendo que não o tenho.
acompanhar cada movimento seu
à distância, sem poder te seguir.
te querer, desejar, com toda a alma,
ansiar por você,
com urgência, desespero, ansiedade...
sentir que é mais que gostar
e não poder admitir,
não poder te falar.
a sua formalidade, a sua frieza,
me ferindo, queimando...
e eu querendo mais...
quando mais é, ao menos, 

o pouco que tive antes.
te ver se afastando, partindo
e levando muito de mim
e deixando tão pouco de si.
quem dera, fosse como naquela noite,
quando deixamos, um no outro,
a lembrança de beijos que a lua testemunhou
trocamos mais que abraços,
também nossos perfumes
que na pele um do outro ficou.
foi sonho? sorte? existiu?
já não sei...só sei que não sei mais
como te tirar do pensamento...
eu queria...como queria...
talvez para você seja mais fácil...
quem sabe, talvez, possa me ensinar,
quem sabe mais facil que amar,
seja, simplesmente, não lembrar.